Publicidade

Delatores da Odebrecht citaram Lula, Temer, Serra, Jucá, Geddel e Moreira Franco

A Folha de São Paulo destaca hoje alguns dos políticos mais importantes citados nas delações dos 77 executivos da Odebrecht.

 

 

Lula – Emílio Odebrecht afirmou que a Arena do Corinthians foi construída como espécie de presente a Lula, torcedor do time

 

Michel Temer – Temer teria pedido à empresa repasses de R$ 10 milhões a peemedebistas em 2014. Temer diz que doações foram declaradas

 

José Serra – Segundo a delação, a campanha de Serra à Presidência em 2010 recebeu R$ 23 milhões via caixa 2. Ele nega

 

Moreira Franco – Executivo diz que Franco, então ministro, pediu, em 2014, contribuição em troca de abortar obra em SP. O secretário nega

 

Geddel Viera Lima – Executivo da Odebrecht diz que empreiteira financiou campanhas de Geddel, que tem negado irregularidades contra ele

 

Romero Jucá – Executivo diz que houve pagamento de R$ 10 milhões em propina para Jucá para ele ajudar Odebrecht no Congresso. Ele nega

 

João Santana – Odebrecht teria pago a Santana, que fez as campanhas de Dilma Rousseff, por fora, na Suíça. Mônica Moura, sua mulher, disse que recebeu US$ 3 milhões

 

Guido Mantega – Executivos devem afirmar que os ex-ministros Mantega e Antonio Palocci receberam R$ 50 milhões e R$ 6 milhões em propina. Ambos negam milhões em propina.

Folha SP

enviar comentário
Publicidade

SÃO PAULO: Odebrecht delata caixa 2 em dinheiro vivo para Geraldo Alckmin

Para Alckmin, não há motivo para que o Senado não vote segundo turno da PEC do Teto

FolhaPress

A Odebrecht afirmou no acordo de delação premiada com a Operação Lava Jato que realizou pagamento de caixa dois, em dinheiro vivo, para as campanhas de 2010 e 2014 do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB).

Executivos da empreiteira mencionam duas pessoas próximas ao governador como intermediárias dos repasses e afirmam que não chegaram a discutir o assunto diretamente com Alckmin.

Segundo a delação, R$ 2 milhões em espécie foram repassados ao empresário Adhemar Ribeiro, irmão da primeira-dama, Lu Alckmin. A entrega do recurso, de acordo com os termos da delação, ocorreu no escritório de Ribeiro, na capital paulista.

Em 2010, o tucano foi eleito no primeiro turno com 50,63% dos votos válidos –o segundo colocado na disputa foi o ex-ministro Aloizio Mercadante (PT).

Em 2014, o caixa dois para a campanha de reeleição de Alckmin teve como um dos operadores, segundo a empreiteira, o hoje secretário de Planejamento do governo paulista, Marcos Monteiro, político de confiança do governador.

Na época das negociações dos recursos, ele seria chamado de “MM” pelos funcionários da Odebrecht. A Folha não obteve os valores que teriam sido pagos na campanha para a reeleição.

Alckmin foi reconduzido ao cargo com 57% dos votos, ficando à frente de Paulo Skaf (PMDB), segundo colocado.

Um dos executivos que delataram o caixa dois é Carlos Armando Paschoal, o CAP, ex-diretor da Odebrecht em São Paulo e um dos responsáveis por negociar doações eleitorais para políticos.

Ele faz parte do grupo de 77 funcionários da empreiteira que assinaram há duas semanas um acordo de delação premiada com investigadores da Lava Jato.

CAP, como é conhecido, também fez afirmações sobre o suposto repasse, revelado pela Folha, de R$ 23 milhões via caixa dois para a campanha presidencial de 2010 do atual ministro das Relações Exteriores, José Serra (PSDB).

Dados do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) indicam que não há doações diretas da Odebrecht à conta da candidatura de Alckmin em 2010 e 2014.

O tribunal registra, em 2010, apenas uma doação oficial de R$ 100 mil da Braskem, braço petroquímico da empreiteira, à direção do PSDB em São Paulo.

No ano de 2014, foi informada uma doação de R$ 200 mil da mesma empresa ao comitê financeiro da campanha a governador. Esse recurso foi repassado pelo comitê à conta da candidatura do tucano.

O codinome de Alckmin nas listas de propina e caixa dois da empreiteira era “santo”, segundo informação publicada pela revista “Veja” recentemente.

O apelido aparecia associado nas planilhas da Odebrecht apreendidas pela Polícia Federal à duplicação da rodovia Mogi-Dutra, uma obra do governo Alckmin de 2002. A palavra “apóstolo”, escrita originalmente na página, foi rasurada e trocada por “santo”.

O mesmo codinome é citado em e-mail de 2004, enviado por Marcio Pelegrino, executivo da Odebrecht que gerenciou a construção da linha 4-Amarela do Metrô, na capital paulista.

Na mensagem, Pelegrino diz que era preciso fazer um repasse de R$ 500 mil para a campanha “com vistas a nossos interesses locais”. O executivo afirma que o beneficiário do suposto suborno era o “santo”.

enviar comentário
Publicidade

ABUSO DE AUTORIDADE: STF fez Renan esquecer até o que tinha urgência

Beneficiário do veredicto meia-sola que o baniu da linha de substituição da Presidência da República, mas o manteve no comando do Senado, Renan Calheiros foi invadido por um sentimento de gratidão total. O projeto sobre abuso de autoridades, que o senador queria aprovar a toque de caixa para punir juízes e procuradores, foi enfiado no freezer. Renan perdeu a pressa. Natural. O Supremo demonstrou que o país precisa mesmo é de uma lei capaz de punir a falta de autoridade.

JOSIAS DE SOUZA

enviar comentário
Publicidade

Líder do PT diz que PSDB quer derrubar Temer

Líder do PT no Senado, Humberto Costa disse em voz alta o que Lula só havia sussurrado em sussurrado em privado: o PSDB trama derrubar Michel Temer, para eleger um substituto pela via indireta, em 2017. Costa avalia que a provável nomeação de um tucano para a pasta que cuida da articulação política do governo seria parte da trama para enfraquecer Temer.

“Nós não temos que avaliar as opções que esse governo faz do ponto de vista da articulação política”, disse Costa. “Agora, é mais uma confirmação de que o PSDB impôs a esse presidente enfraquecido um dilema: ou entrega o governo ao PSDB ou ele próprio sairá [da Presidência]. São evidentes e claras as articulações para dar um golpe dentro do golpe, eleger pela via indireta, pela Câmara dos Deputados, um presidente do PSDB.”

JOSIAS DE SOUZA

enviar comentário
Publicidade

Sesed divulga economia de R$ 800 mil de combustível em viaturas

A Secretaria de Estado da Segurança Pública e da Defesa Social (Sesed) implementou um rigoroso Sistema de Controle de Abastecimento, que visa diminuir os gastos de combustíveis das viaturas. Desde que foi colocado em prática, em junho de 2016, o sistema gerou uma economia de mais de 278 mil litros, correspondendo a uma redução de gastos para o Estado de quase R$ 900 mil.

Todo idealizado e desenvolvido pela equipe de sistemas da Sesed, comandada pelo major Kleber Macedo, o sistema não teve ônus algum para o Estado. Através dele, a frota do Comando de Policiamento Metropolitano (CPM) foi ‘bloqueada’ e só é liberada para abastecimento após cumprir uma série de requisitos.

“Uma viatura operacional, por exemplo, só pode abastecer no dia seguinte se ficar, pelo menos, oito horas à disposição do Ciosp (Centro Integrado de Operações de Segurança Pública), ou seja, disponível para atender ocorrências. Não atendendo esse requisito, a viatura não abastece, mesmo indo até o posto”, explicou o major.

O secretário estadual de Segurança Caio Bezerra adiantou que nas próximas semanas o programa também estará funcionando no interior do estado. “Com esse sistema, diminuímos os pedidos de cota extra de combustível e conseguimos otimizar o serviço da polícia para que todos os policiais ajam de acordo com o que é determinado pelo comando. Agora, todo abastecimento só é feito mediante liberação do sistema”, enfatizou.

Nesta quinta-feira (8), o sistema foi apresentado para outras secretarias em reunião que ocorreu no Gabinete Civil do Estado. Após a demonstração feita pelo major Macedo, a chefe do Gabinete Civil, Tatiana Mendes Cunha, elogiou o trabalho desenvolvido pelos militares e disse que o projeto será levado para outras pastas. “É um trabalho muito completo, que não teve nenhum tipo de custo para o Estado. Diante da crise financeira, a economia de combustível por parte dos órgãos do Estado se torna essencial”, declarou.

enviar comentário
Publicidade

Juízes, Procuradores e Promotores fizeram ato público contra a corrupção

ato

Nesta quinta-feira, 8, dia da Justiça, juízes e membros do Ministério Público do Rio Grande do Norte fizeram um ato público em Natal e nas comarcas do interior como Taipu, Currais Novos, Afonso Bezerra e Lajes com o objetivo de protestar contra a corrupção. O movimento foi articulado entre a AMARN, AMATRA21, Ampern, Ajufe, ANPR – Associação Nacional dos Procuradores da República e a ANPT – Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho.

Em Natal, o ato foi realizado em frente ao Fórum Miguel Seabra Fagundes, em Lagoa Nova, e reuniu magistrados, procuradores e promotores de justiça. Com faixas contra o Projeto de Lei de Abuso de Autoridade, em tramitação no Congresso Nacional, os participantes mostraram a indignação e revolta por atos que visam o enfraquecimento da atuação de juízes e membros do Ministério Público.

“Nosso objetivo aqui não é defender privilégios e, sim, a defesa da nossa liberdade para trabalharmos e exercermos nossa função da maneira adequada. Quem é que vai fazer valer os direitos do cidadão com juízes amordaçados? Os juízes não estão imunes às leis, não é que queremos”, disse o presidente da AMATRA21 o juiz do Trabalho Inácio de Oliveira.

Apesar de ser realizado no dia da Justiça, o momento não foi de comemoração e, sim, de protesto contra as ações realizadas no Brasil que visam dificultar operações de combate a corrupção. Juízes e membros do Ministério Público mostraram união na defesa de um trabalho independente, onde a sociedade será beneficiada.

“A corrupção é o mal mais insidioso em nosso País. Ela atinge todos os níveis, endereços e pessoas. Acontece na educação, saúde, nas relações de trabalho ilícitas. Todas as áreas que atingem direitos do cidadão”, afirmou o Procurador do Trabalho Xisto Thiago.

Atos contra a corrupção vêm sendo realizados em várias cidades brasileiras por membros do Judiciário e Ministério Público. Em uma das faixas, “o povo quer a punição de corruptos. Diga não ao Projeto de Lei de Abuso de Autoridade” reflete o sentimento da maioria da população.

“Esse ato, realizado em uma data simbólica, é em defesa de direitos. Não é verdade que juízes e promotores não são punidos. O que eles querem, com esse Projeto de Lei, é retirar prerrogativas e ameaçar quem atua no combate a corrupção”, disse o promotor Fernando Vasconcelos, presidente da Ampern.

No final do movimento, o presidente da AMARN juiz Cleofas Coelho de Araújo Júnior, agradeceu a presença de todos e disse que é preciso enfrentar os problemas e continuar lutando em defesa de um Judiciário e Ministério Público fortalecidos.

“Estamos demonstrando aqui nossa insatisfação com esse desfacelamento do Projeto de Lei de Abuso de Autoridade. Não estamos querendo privilégios, mas precisamos de independência para atuarmos em nossa função”, concluiu Cleofas Coelho

enviar comentário
Publicidade

Polícia Civil prende trio suspeito de roubar clientes que estavam em bar de Natal

Na tarde desta quarta-feira (07), policiais civis da 15a DP, com apoio da Polícia Militar, prenderam três homens suspeitos de terem roubado diversos clientes que estavam em um bar, localizado no bairro de Ponta Negra. Um grupo de assaltantes armado entrou no bar, rendeu os clientes e roubou veículos e diversos objetos como celulares, notebooks e bebidas. Após o crime, o grupo fugiu em um táxi modelo Corsa Sedan.

           Após o crime, policiais militares fizeram buscas e conseguiram prender em flagrante Mateus Farias dos Santos, 18 anos e o taxista que deu fuga ao grupo, Silas da Silva Rodrigues, 26 anos. Um adolescente que participou do crime também foi apreendido. A equipe da 15a DP continuou as diligências e conseguiu prender mais um suspeito,

        O três suspeitos foram conduzidos para a 15a. DP e foram autuados em flagrante pelo crime de roubo qualificado. Até o momento, a Polícia Civil já recuperou os veículos modelo J3, Celta, Onix e uma motocicleta Jony.Outros pertences das vítimas também já foram recuperados pela Polícia.

enviar comentário
Publicidade

A pequenez do momento na terra de Poti

Questões políticas que remontam à campanha eleitoral de 2014 e à não aceitação, por parte de alguns, do resultado da eleição, somadas a sentimentos mesquinhos ainda geram especulações descabidas e notícias falaciosas.

E engana-se quem pensava que isso acontecia apenas quando o assunto é política, agora o alvo é vida pessoal.

A ordem é desinformar, distorcer, inventar estórias. Assim mesmo, com “e” e não com “h”.

A mais nova estória é noticiar que a cantora Paula Fernandes, amiga da badaladíssima blogueira Thássia Naves, irmã de José Naves, marido da filha do governador Robinson Farias, teria sido contratada para cantar na festa de casamento marcada para o próximo sábado em Pipa.

Até valor do cachê já teria sido divulgado nas redes sociais: 250 mil reais.

Estória. Tudo estória. Para não usar outra palavra.

Tudo devidamente desmentido pela assessoria da cantora através de e-mail.

“Paula Fernandes é convidada da amiga Thássia Naves para o casamento do irmão José Naves e para passar o fim de semana na cidade. Ela não foi contratada para se apresentar na festa”.

Alguns seres humanos ainda não aprenderam que mentira tem perna curta e quem faz aqui, colhe aqui.

Coisa pequena de gente pequena.

Comentários (9) enviar comentário
  1. cidadão disse:

    E daí se alguém tem condições financeiras para contratar quem quer que seja para se apresentar?? Qual o problema se a pessoa usar seu próprio dinheiro para gastar como achar que lhe convém? ? Aqui nem entro no mérito da questão se é mentira, botão estória, raiva… Pelo que se sabe, são pessoas economicamente muito bem sucedidas e o fato de ter um parente político ñ deveria ser bem de longe fruto de qualquer observação, ao menos que alguém queira insinuar que haja qualquer envolvimento ilegal no caso, aí é muito simples: denuncie com provas e que se cumpra a lei. Gente com complexo vira-lata é uma tristeza. Eu ñ faria uma festa tão grande, tão cheia de pompas, mas isso sou eu, todos temos o direito de fazer como lhes melhor convém e julgamentos do tipo invejoso é para gente que muitas vezes é tão pobre que a única coisa que possuiem é mesmo algum dinheiro. Povo besta da bexiga, deixe que quem tem gaste com o que quiser, é lícito é válido e é uma das funções do dinheiro.

  2. Maracujina disse:

    Parabéns BG pela pronta e vigilante defesa dos familiares e do próprio governados . Isso é que chamamos de eficiência jornalistica desinteressada e desmedida . O professor Yunico Braga , escreveu no seu célebre livro " JORNALISMO GLOBAL E MUNDIAL " , que o jornalista deve agir de pronto diante de todas as injustiças que existem no mundo , e que sua dedução não de vê depender de nada a não ser da fragilidade dos atingidos . BG , foi rápido , cirúrgico , certeiro é gente boa . Peço somente que ele publique as fotos do enlace .

  3. Decio disse:

    Na duvida vamos todos nós servidores que não recebemos nem o salario e nem o décimo terceiro fazer uma boquinha no casamento

  4. Sergio Nogueira disse:

    Eu me aposento, daqui a 49 anos, claro, e não entendo o que esse povo tem a ver com a vida, com a festa de casamento, enfim, com os convidados ou contratados para cantar.
    Se ela vem e será paga de bolsos privados, por mim era para vir também Madona, ou qualquer outro.
    Quem noticia algo assim não é jornalista, é fofoqueiro. Aliás, é fofoqueiro pago.

  5. Flavio disse:

    Caro geraldo, o governador é um homem publico e tem que repartir com o povo anseios e dificuldades, se não, não tem opção por essa carreira

  6. geraldo disse:

    Infelizmente isso se publicita de forma leviana através de falsos jornalistas, que mesmo de profissão, preferem atear fogo em fuxicos levianos, para ver o que acontece!!! Hoje não se pode fazer uma festa, viajar, trocar de carro, ser amigo de uma pessoa conhecida ou publica, que existe sempre algo errado!! A sociedade hoje esta em desafeto com seu próprio caráter, pois mesmo sabendo de certas inverdades, preferem propagar como se verdade fosse, para se vangloriar da angustia vivida pela vítima de seu interesse!!! absurdo!

  7. erinaldo disse:

    Vai dar só umas palhinhas de graça mesmo!!!

Publicidade

Planalto adia anúncio de nomeação de Imbassahy após pressão do Centrão

As resistências de grupos aliados do governo, especialmente do chamado Centrão, fizeram com que o Planalto desistisse de nomear o deputado federal tucano Antonio Imbassahy (BA) para assumir a Secretaria Geral do governo, em substituição ao ex-ministro Geddel Vieira Lima.

Como precisa aprovar no Congresso propostas que exigem bastante apoio, como a reforma da Previdência, o governo avaliou que era melhor negociar com mais calma a escolha do novo titular da pasta.

Alguns nomes já começam a ser falados como opções para o posto, como os senadores Antonio Anastasia (PSDB-MG) e José Aníbal (PSDB-SP). Mas essa escolha precisaria ser articulada com o Centrão ou repetiria o problema ocorrido com Imbassahy.

VEJA

Comentário (1) enviar comentário
  1. Curioso disse:

    Trump todinho…

Publicidade

Ney Júnior denuncia “casos gravíssimos de assédios e agressões a vereadores” na CMN

Por: Alynne Scott/Agora RN
O vereador eleito Ney Lopes Júnior (PSD) afirmou nesta quinta-feira (8) estar acontecendo na Câmara “casos gravíssimos de assédios e agressões a vereadores”, especialmente, segundo ele, contra os que compõem o grupo de 19 vereadores que assinaram o manifesto divulgado dia 18 de novembro.

De acordo com Ney, há forças externas tentando desagregar tal grupo, como também há “uma aversão ao vereador candidato a presidente da Câmara Raniere Barbosa”. Apesar de não explicitar quem seria o autor de tais assédios, Ney afirma que “o governo municipal é o polo passivo dessas articulações”.

Tais articulações teriam como objetivo impedir que Raniere se eleja presidente da Câmara e “não por questões políticas, mas por questões pessoais”, disse Ney. Para ele isso pode comprometer a governabilidade no próximo mandato, pois alguns vereadores “se sentiram ofendidos moralmente pelos assédios”.

“Um político que se prese não se submete a promessas mirabolantes ou oferecimento de vantagens”, enfatizou Ney Lopes, e acrescentou que a decisão sobre a presidência e a mesa diretora da Câmara Municipal de Natal deve ser feita exclusivamente pelos vereadores, “não deve haver nenhum tipo de influência externa, nem com agressões verbais ou oferecimento de vantagens”, finalizou o vereador.

Comentários (7) enviar comentário
  1. Luiz Martins de lima fulho disse:

    Cada um que defenda o seu $$$$$$$$$

  2. Flavio. disse:

    Eu acho que o nobre e valente vereador deveria externar publicamente que forças ocultas são essas e porquê os vereadores assediados não têm a coragem de vir a público externar os assédio e agressões sofridas. Nessa selva de pedra vereador quem não almoça É jantado. Se for contar a missa diga ao menos o nome do padre. Pois ficar com subterfúgios não ajudam em nada a esclarecer os fatos. Ou NOMINA OU FICA CALADO QUE PRESTA UM SERVIÇO MELHOR!!

  3. Luciana Morais Gama disse:

    Pq não denunciam no Ministério Publico??

  4. Observador disse:

    Parabéns, Ney ! A oposição está fortalecida com seu preparo pessoal e intectual . O choro é livre

    • Sergio Nogueira disse:

      Pura bravata.
      Dê os nomes ou fique calado!
      Até para não parecer que estaria barganhando. Acho que Natal merece uma Câmara mais qualificada.

  5. luis disse:

    diante de todas essas acusações só gostaria de entender uma coisa. como o prefeito carlos eduardo está mantendo todos os cargos comissionados e terceirizados do Vereador ranieri na prefeitura? em especial na sensur.

    • Eduardo disse:

      Realmente é boa colocação. é no minimo estranho essa guerra declarada entre os dois, e mesmo assim todas as indicações do vereador se mantém inabalada. será que o prefeito tem medo de exonerar os cargos de raniere e este abrir o bocão em algo que possa comprometer Carlos Eduardo?

Publicidade
Publicidade

Turista italiano é morto após entrar por engano em favela no Rio

img_4251A viagem de dois primos italianos terminou em tragédia no Rio de Janeiro depois que um deles, identificado como Roberto Bardella, de 52 anos, foi morto nesta quinta-feira (8). Bardella e o primo, que teve a identidade preservada por segurança, entraram por engano no Morro dos Prazeres, favela em Santa Teresa, Região Central da cidade. O caso está sendo investigado pela Delegacia de Homicídios, da Polícia Civil.

Segundo informações preliminares, Bardella foi baleado na cabeça. Os dois amigos viajavam em motos pela América do Sul e já tinham passado pelo Paraguai e Argentina, além de Curitiba e Foz do Iguaçu, onde visitaram as cataratas.

Investigadores disseram que os italianos tinham visitado o Cristo Redentor e, guiados por um aplicativo que utiliza orientação GPS, acabaram pegando um caminho que os levou para a favela. Eles foram abordados por, a princípio, dez criminosos por volta das 11h30 e levados para um local no interior da comunidade.

Os dois primos e tinham câmeras nos capacetes e, segundo a polícia, podem ter sido confundidos com policiais. As câmeras e outros pertences dos italianos foram roubadas. A vítima foi morta logo depois da abordagem. Em seu depoimento, o sobrevivente afirmou que os bandidos lavaram as motos e usaram luvas para manusear as motocicletas antes de liberar a vítima.

Comentário (1) enviar comentário
  1. Luciana Morais Gama disse:

    O Brasil tá dominado hoje por bandidos, de gravata e sem gravata.

Publicidade